Os impactos da quarta revolução industrial

Os impactos da quarta revolução industrial

Surge uma nova revolução que integra tecnologias da internet com as máquinas, ou seja, um sistema de autonomia. É o uso da tecnologia da informação aplicada à Internet das coisas, pode-se notar essas inovações em automóveis autônomos e aplicativos que enviam lista de compras para estabelecimentos específicos.

Toda a sociedade será impactada de alguma forma, a velocidade dessa revolução vai afetar o modo como vemos empregos, capacitações e, certamente, surgirão novas funções. Empresas precisarão se reorganizar e adaptar às mudanças, que já são reais.

Em junho de 2016, foi lançado o livro, A Quarta Revolução Industrial, escrito pelo engenheiro e economista alemão, fundador e presidente executivo do World Economic Forum, Klaus Schwab. O autor citou o seguinte trecho:

“Estamos a bordo de uma revolução tecnológica que transformará fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala, alcance e complexidade, a transformação será diferente de qualquer coisa que o ser humano tenha experimentado antes.”

O novo modus operandi que está ocorrendo faz com que empresas busquem por respostas mais rápidas e sejam constantemente inovadoras. Por consequência, é preciso instituir um novo modelo organizacional para manter a sustentação da empresa perante a nova era.

As áreas de TI de grandes corporações costumam cometer o erro mais comum, ou seja, enfatizar tecnologias que já dominam e deixar em segundo plano as tecnologias novas, emergentes, com verdadeiro potencial. É preciso ter visão de mercado e monitorar todos os departamentos, realizar uma inserção tecnológica dentro e fora da empresa e, principalmente, estudar o cliente.

A 4ª revolução é voltada para fabricação de inovações. Os dispositivos inteligentes vão assumir o controle de máquinas, gerenciar operações e desenvolver mais autonomia. Logo, é preciso manter o negócio com capacidade de competição. O diretor de Inovações da Bosch Software nas Américas, Matt Jennings, fez a seguinte declaração:

“Os fabricantes precisam reagir de forma mais inteligente e em tempo real às mudanças nas condições de mercado. Para fazer isso, os fabricantes precisam alavancar os dados gerados por suas máquinas, aparelhos, sistemas ou linha de produção.”

A citação destaca a real inevitabilidade de compreender a integração dos processos de negócios com a tecnologia. A adaptação de uma empresa e transformação depende da forma em que é administrada, é preciso ter visão da urgência da mudança e colocá-la em prática.

A Confederação Nacional das Indústrias (CNI), realizou uma pesquisa e chegou ao resultado de que apenas 58% das indústrias brasileiras reconhecem a importância das tecnologias digitais para tornarem-se mais competitivas. Mesmo sabendo da relevância, menos da metade tentam aplicá-las de alguma forma em sua produção.

Repensar, rever e reavaliar a área de TI são pontos válidos para não correr riscos de desperdiçar oportunidades. Os avanços tecnológicos chegam em contato com as empresas em proporções cada vez maiores. Prepare seus negócios para a 4ª Revolução e fique atento ao mercado e o que ele está produzindo, principalmente startups, que são inovadoras na essência.

 

Fontes:

http://www.bbc.com/portuguese

http://www.diarioinduscom.com/

http://miti.com.br/