Segmento Internet: um grande empregador

Segmento Internet: um grande empregador

A economia pode estar um pouco estagnada, mas a área de Tecnologia da Informação (TI) continua a crescer, ainda que o ritmo esteja um pouco mais lento em relação a 3 anos atrás. Apesar disso, o nível de contratação se mantém, não houve demissão em massa, apenas redução de salário.
Em entrevista, o presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet) se manifestou:
“Houve uma redução da massa salarial, sim. Na verdade, a maior parte dos funcionários ganham entre 3 e 5 salários mínimos, uma redução de mais ou menos 5%.”
A Abranet avaliou o emprego nesse segmento, a área de tecnologia é uma área em constante avanço desde o ano 2000 até 2016. O número de empregados ativos foi de 177.233 para 326.592, porém o crescimento acumulado da empregabilidade (84,3%) foi inferior ao aumento de 120,1% do faturamento das empresas entre essas datas.
A pesquisa destacou o impacto positivo que a desoneração da folha (medida governamental voltada para o crescimento da produção), a Lei 12.546/2011, teve no setor. Ocorreu um aumento significativo da taxa de crescimento da empregabilidade no momento em que o cálculo de Contribuição Previdenciária Patronal passou a vigorar com alíquotas de 2% e 1% para serviços de TI e indústria. Contudo, após a reoneração da folha, houve queda no número de empregados, deixando a empregabilidade estável entre 2015 e 2016.
Logo nessa data houve uma mudança no perfil dos colaboradores. No começo dos anos 2000, os empregados no segmento de Internet era majoritariamente jovens entre 18 e 24 anos, representando 32,0% de um total de 56.677 empregados. Porém, como existiu a empregabilidade estável, logo esses jovens tornaram-se mais velhos e experientes no emprego. Hoje, eles representam 23,9% do total, enquanto a faixa etária entre 25 e 39 anos, saltou de 45,6% (em 2000) para 53,2% até agosto de 2016.
O crescimento e amadurecimento profissional também é notável em relação a estudos escolares. Em agosto do ano passado, 51,52% do total de empregados registrados eram formados no ensino médio e 40,56% tinham ensino superior. No ano 2000, somente 27,5% possuíam graduação, uma variação de crescimento em torno de 172,2%.

Em 2016, o número de profissionais com ensino superior cresceu consideravelmente em comparação com o ano 2000.

 

As empresas do segmento de Internet dificilmente vão estagnar, devido ao constante avanço da tecnologia e adaptações aos meios de inovação. Inclusive uma das tendências apontadas para o ano de 2017 é uma maior interação entre o homem e dispositivos de inteligência artificial. É uma forma de buscar soluções e ver oportunidades para empreendimentos ligados a tecnologia, mudanças e novidades.

Tabela de crescimento da escolaridade dos colaboradores do segmento internet entre 2000 e 2016

 

Fonte: Abranet